quinta-feira, 21 de junho de 2018

MPE - RN anuncia Processo Seletivo com vagas para estagiários


O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (MPE - RN) anuncia a todos novo Processo Seletivo de nível superior, que tem como objetivo a formação de cadastro reserva no cargo de estagiário.
Estudantes do curso de Direito podem se inscrever via internet, no período de 1º a 31 de agosto de 2018, no endereço eletrônico www.mprn.mp.br, tendo que arcar com o custo de R$ 52,00.
As oportunidades são para os pólos de Assu; Angicos; Apodi; Caicó; Caraúbas; Ceará-Mirim; Currais Novos; Goianinha; João Câmara; Jucurutu; Macaíba; Macau; Macau; Mossoró; Natal Nova Cruz; Parnamirim; Patu; Pau de Ferros; Santa Cruz e São José de Mipibu, que abrangem as Promotorias de Assu - RN; Inpanguaçu - RN; Angicos - RN; Lajes - RN; Apodi - RN; Caicó - RN; Jardim de Piranhas - RN; Jardim do Seridó - RN; Parelhas - RN; São João do Sabugi - RN; Carúbas - RN; Campo Grande - RN; Ceará-Mirim - RN; Extremoz - RN; São Gonçalo do Amarante; Touros - RN; Acari - RN; Cruzeta - RN; Currais Novos - RN; Arês - RN; Canguaretama - RN; Goianinha- RN; Pedro Velho - RN; João Câmara - RN; Poço Branco - RN; São Bento do Norte - RN; Florânia- RN; Jucurutu - RN; Santana do Matos - RN; Macaíba - RN; São Paulo do Potengi - RN; Macau - RN; Pendências - RN; Areia Branca - RN; Baraúna - RN; Mossoró - RN; Upanema - RN; Natal - RN; Nova Cruz - RN; Santo Antônio - RN; Parnamirim - RN; Portalegre - RN; Almino Afonso - RN; Martins - RN; Patu - RN; Umarizal - RN; Alexandria - RN; Luís Gomes - RN; Marcelino Vieira - RN; Pau dos Ferros - RN; São Miguel - RN; Santa Cruz - RN; São José de Campestre - RN; São Tomé - RN; Tangará - RN; Monte Alegre - RN; Nísia Floresta - RN e São José de Mipibu - RN.
Caso contratados, os candidatos, que serão classificados por meio de Prova Objetiva, devem receber bolsa-auxílio de um salário mínimo, além de vale-transporte, pago por dia efetivamente estagiado.
O estágio remunerado terá duração de até dois anos, enquanto este Processo Seletivo tem prazo de validade de um ano, podendo ainda ser prorrogado por igual período, a partir da homologação do resultado final.
Mais informações você obtêm no edital que se encontra disponível em nosso site.
Jornalista: Gabriel Rabello Lanza

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Governo do RN convoca 384 professores efetivos para rede estadual


Governo do RN convoca 384 professores efetivos para rede estadual
O Governo do Estado publicou nesta quarta-feira, 20, a convocação de 384 professores para compor o quadro efetivo da rede estadual de ensino.
A convocação é referente ao concurso do edital 001/2015, que já convocou mais de cinco mil candidatos. Só neste mês de junho, já ocorreram duas convocações para esse concurso, totalizando 451 candidatos chamados.
As vagas são para diversas áreas de conhecimento, tais como pedagogia (anos iniciais e educação especial), física, química, ciências biológicas, sociologia, geografia, filosofia, ciências biológicas, história, artes, língua espanhola, língua inglesa, língua portuguesa e matemática.
Para tomar posse, os candidatos devem apresentar os seguintes exames médicos: atestado de sanidade mental, válido por trinta dias; hemograma; glicemia em jejum; sumário de urina com sedimentoscopia; parasitológico de fezes. Esses documentos têm que ter a validade de 90 dias.
As candidatas gestantes devem apresentar laudo de ginecologista atestando estarem isentas dos exames de radiologia. Os professores devem também portarem com validade de 6 meses documentos de eletrocardiograma com parecer de um cardiologista, e o raio x do tórax em PA e Perfil com laudo de um radiologista.
Os convocados com idade igual ou superior a 45 anos do sexo masculino devem apresentar dosagem PSA; citologia oncótica para candidatos do sexo feminino, com parecer de médico ginecologista; mamografia para o sexo feminino com idade igual ou superior a 45 anos com parecer de médico mastologista.
A inspeção médica admissional será feita pela Comissão Permanente de Inspeção Médica Oficial, situada na sede da SEARH/RN, Centro Administrativo do Estado, Lagoa Nova, Natal. O atendimento deve ser agendado através do telefone (84) 3232-1056, no horário de 8h às 12h.
Devem ser apresentados também, conforme prevê o edital, o diploma de conclusão de curso com habilitação para o cargo, devidamente registrado por órgão competente, e os documentos pessoais: cópia de cédula de identidade, cópia de cadastro de Pessoa Física – CPF, comprovante de residência, cópia do título de eleitor e declaração de quitação eleitoral, cópia da certidão de reservista (sexo masculino), cópia de CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social (página com foto – frente e verso e todos os contratos de trabalho assinado e a seguinte em branco, cópia do PIS ou PASEP, cópia de certidão de nascimento ou casamento, atestado de saúde ocupacional habilitando o candidato para o exercício do cargo expedido por Junta Médica Oficial.
O candidato deve apresentar o número da conta bancária e agência em nome do titular da conta (conta do Banco do Brasil), certidão negativa de antecedentes criminais expedidas pelas Justiça estadual e federal, assim como, pela Polícia Civil da localidade em que o candidato possuir residência nos últimos cinco anos, e cópia da carteira de inscrição no Conselho Regional de Educação Física para os convocados de Educação Física.
Confira a lista completa com os nomes dos candidatos convocados clicando aqui.
VIA AGORA RN

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Prefeita Lydice Brito dá as boas vindas aos sabugienses ausente e visitantes.


Olá amigos sabugienses!
Chegamos a um dos dias mais esperados pelo nosso povo durante todo o ano: a abertura da festa de São João Batista. Já começamos o dia alegres e felizes com o buzinaço para acordar nossa gente ao som do hino do padroeiro organizado pela paróquia, com a recepção aos peregrinos de São João. 
Nossa cidade já está toda vestida nas cores da bandeira do Brasil e em modelo de festa junina, afinal também somos patriotas. Espero que toda população, amigos, sabugienses presentes e ausentes possam aproveitar da melhor forma nossos eventos tanto sociais quanto religiosos, pois é muito gratificante saber que uma cidade que tem nas características do seu povo a humildade, a hospitalidade e a fé saibam fazer jus a esta festa que preparamos com muito amor e responsabilidade. Que as famílias sabugienses recebam de braços abertos todos que por aqui passarem, mostrando a eles que nossa cidade fica feliz em recebê-los. 

E viva a São João Batista e o Nosso Povo!


A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, texto e atividades ao ar livre

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Simpósio de Observação da Terra Promove Troca de Conhecimento Sobre Satélites

Simpósio de Observação da Terra Promove Troca de Conhecimento Sobre Satélites

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada ontem (12/06) no site da “Força Aérea Brasileira (FAB)” destacando que o “Simpósio de Observação da Terra”promove troca de conhecimento sobre satélites.

Duda Falcão

TECNOLOGIA ESPACIAL

Simpósio de Observação da Terra Promove
Troca de Conhecimento Sobre Satélites

O evento reúne militares e civis interessados no setor espacial

Por Aspirante Carlos Balbino
Revisão: Maj Alle
Edição: Agência Força Aérea
Publicado: 12/06/2018 20:30

Fotos: Cabo Feitosa/Cecomsaer

Compartilhar conhecimento, trocar experiências, gerar cooperação e sinergia na área espacial. Isso foi o que motivou a realização do Simpósio de Observação da Terra, iniciado nesta terça-feira (12) no Grupamento de Apoio do Distrito Federal (GAP-DF), em Brasília (DF).

O evento, que vai até esta quarta-feira (13) e é organizado pela Airbus Space, teve como convidados militares da Marinha do Brasil (MB), do Exército Brasileiro (EB) e da Força Aérea Brasileira (FAB), além de civis integrantes de instituições governamentais interessadas na implantação de projetos de sensoriamento remoto ótico.

Durante dois dias os participantes terão a oportunidade de analisar o panorama nacional das capacidades de sensoriamento remoto ótico, comparar a situação do país com o restante da América do Sul, analisar os benefícios da aquisição de um satélite nacional para o monitoramento de imagens e esclarecer dúvidas relacionadas à viabilização do projeto.


A abertura do simpósio contou com a presença do Ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, que participou da implementação do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE) quando ainda integrava o Ministério da Defesa. O Ministro falou sobre a importância de se investir em um sistema de sensoriamento remoto ótico de alta definição no Brasil. “Esse sistema, a exemplo do SGDC [Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas], tem que ser dual, ou seja, tem que ser militar e civil. Essa é a fórmula que gera resultados e que permite uma utilização plena da capacidade e possibilidade de um equipamento tecnológico como esse”, defendeu.

Ao garantir apoio ao desenvolvimento do projeto, Raul Jungmann lembrou que a falta de um sistema como esse causa impacto financeiro no país. Segundo ele, atualmente, o gasto anual com a importação de imagens de alta definição feitas no exterior é de cerca de 100 milhões de dólares. “Se nós observarmos pelo prisma que seria a aquisição de um sistema como o Carponis-1 isso teria um custo inicial de aproximadamente 80 ou 90 milhões de reais”, complementou.


Autoridades do setor aeroespacial apontaram, além da economia, outros benefícios como a qualidade das imagens e o sigilo de informações, essenciais para a garantia da soberania nacional. O Major-Brigadeiro do Ar Luiz Fernando de Aguiar que preside a Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), no entanto, frisou que o projeto necessita de parcerias para que se torne viável. “Hoje não temos um satélite bom para imagem. É preciso que haja entendimento dos demais órgãos públicos da importância dessa tecnologia para inverter o processo: fornecer a imagem e não comprá-la”, afirmou.

Experiências Internacionais

Para exemplificar as vantagens do uso do sistema, durante as palestras, a experiência de outros países na exploração de satélites de monitoramento de imagens foi compartilhada por integrantes de agências espaciais internacionais, que já investem no uso da própria tecnologia. O representante da Agência Espacial Francesa (CNES), Henri Roquefuil, destacou as características do satélite usadas para subsidiar áreas que envolvem serviços de segurança e organizações nucleares. “O programa dual ajudou a compartilhar custos e ter economia em escala. É um instrumento também de cooperação e permite integrar tecnologias”, explicou.


Para o representante da Agência Espacial Peruana (CONIDA), Gustavo Henriquez Camacho, a tecnologia empregada no sistema satelital peruano, provavelmente, é o que há de mais avançado no país. “Usamos as imagens para detectar deslizamentos de terras, para identificar locais vulneráveis em rodovias, simular a atividade de vulcões, identificar áreas de cultivo. Tudo isso gera um impacto social. Houve muitos questionamentos durante a implementação pela falta de informação, mas, ao explicarmos o funcionamento do satélite, 99,1% das pessoas ouvidas em pesquisas encomendadas reconhecem que o uso é muito importante”, garantiu.

A previsão é de que o satélite ótico brasileiro entre em operação em 2021. O acesso ao banco de dados será gratuito. Apenas 10% das imagens serão de uso restrito. 

Durante o evento, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer o Centro de Operações Espaciais (COPE), unidade onde futuramente ficarão as instalações definitivas de controle e monitoramento dos novos satélites.

Carponis-1 

O Carponis-1 é o primeiro satélite de sensoriamento remoto de alta resolução espacial brasileiro. O Brasil pretende colocá-lo em órbita entre 2021 e 2022. O satélite faz parte de uma das constelações do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE), que integra o Programa Espacial Brasileiro.

Atualmente, o Brasil dispõe de imagens providas pelo satélite sino-brasileiro CBERS-4, no qual o melhor instrumento a bordo é uma câmera chinesa que pode somente prover imagens preto e branco com resolução máxima de cinco metros. O satélite Carponis-1 tem capacidade de gerar imagens coloridas com resolução igual ou menor a um metro. Isso quer dizer que o equipamento tem capacidade para gerar imagens com mais qualidade, nitidez e precisão. Imagens de alta resolução são essenciais para atender as demandas de diversos órgãos públicos brasileiros que, por vezes, devem recorrer a aquisição de imagens de satélites comerciais estrangeiros de maneira individual.



Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB)

Ipueirense estréia a peça 'O Pequeno Príncipe Preto' que traz exaltação e valorização da cultura negra

Peça está em cartaz no Teatro Glauce Rocha

Rio - Quando era criança, no município de Ipueira (segundo menos populoso do RN), Junior Dantas queria viver um príncipe na peça do colégio. "Minha professora disse que eu não podia, já que eu não era louro e não tinha olhos claros", lembra o ator, que na época não conseguiu o papel, mas que desde sábado protagoniza 'O Pequeno Príncipe Preto', em cartaz até 29 de julho (sábados e domingos, às 16h), no Teatro Glauce Rocha, Centro do Rio. "Não guardo rancor. Só que na minha cabeça não tinha diferença da cor. Toda criança pode ser tudo que ela quiser", defende.
MONTEIRO LOBATO
Dantas, hoje com 37 anos, conta que desde aquela época sempre sentiu falta de representatividade nos heróis ou personagens nas histórias. "Na obra de Monteiro Lobato tem o Saci-Pererê, com uma perna, que fuma cachimbo e faz coisas ruins. Ou a Tia Nastácia, que fica servindo na cozinha e em alguns momentos passava por situações preconceituosas. Os super-heróis eram americanos. Desde criança me questionava, e nenhum deles se parecia comigo", afirma. Cansado dessa falta de identificação, anos depois, o ator conversou com Rodrigo França (que assina o texto e o roteiro do espetáculo) sobre seus questionamentos e falou do seu antigo sonho e também posicionamento. O livro 'O Pequeno Príncipe', obra do escritor e ilustrador francês Antoine Saint-Exupéry ("Em abril, completou 75 anos que o livro foi publicado", diz Dantas) era que melhor se encaixava. Depois de muita pesquisa e ver várias versões de 'O Pequeno Príncipe', sejam animações ou filmes, a dupla chegou ao atual projeto.
ADAPTAÇÕES
"Na história original, a árvore Baobá (originária da África) está inserida na história como uma praga, que crescendo irá destruir o planeta. Mas na nossa peça, a árvore é a melhor amiga do Príncipe, que quer percorrer outros planetas para espalhar a semente da empatia, amor e da amizade", diz. "O nosso espetáculo fala sobre diversidade, tons de pele, ancestralidade. É uma peça sobre todas as cores, todas as crianças são bem-vindas. Quem nunca passou por bullying? É um espetáculo de empoderamento. As crianças saem felizes com a cor que têm, com o cabelo que têm e o nariz também. Os adultos saem muito emocionados", entrega, com orgulho.
PLATEIA
O intérprete explica que, ao contrário do que se imagina, o comportamento dos pequenos espectadores é exemplar. "Não ouço barulho, nem mexem no celular", cita Junior, feliz da vida. Antes da estreia, a produção teve ensaio na Pavuna (na Zona Norte do Rio), Recife (PE) e Campina Grande (PB). "Minha família, que mora no Rio Grande do Norte na divisa com a Paraíba aproveitou que estava em Campina Grande para ir em peso ver a peça. Ficaram muito felizes", diz Dantas, que a cada apresentação é acompanhado por três músicos que tocam ao vivo. "A música é um espetáculo à parte", derrete-se.
Junior afirma que tem recebido diversas mensagens de várias partes do país pedindo uma turnê nacional. "Estamos entrando em contato e vendo as possibilidades. Mas é uma vontade fazer uma turnê. E quem sabe uma internacional? Nada é impossível", torce o ator, animado.

Galeria de Fotos

Junior Dantas em 'O Pequeno Príncipe Preto'
CLAYTON LEITE/DIVULGAÇÃO
Junior Dantas em 'O Pequeno Príncipe Preto'
VALMYR FERREIRA/DIVULGAÇÃO
Junior Dantas posa com crianças ao fim do espetáculo 'O Pequeno Príncipe Preto'
VALMYR FERREIRA/DIVULGAÇ
https://odia.ig.com.br/diversao/2018/06/5548102-empoderamento-infantil.html#foto=3ÃO
https://odia.ig.com.br/diversao/2018/06/5548102-empoderamento-infantil.html#foto=3

segunda-feira, 11 de junho de 2018

UTILIDADE PÚBLICA (SÃO JOÃO DO SABUGI): SERVIÇO DE MELHORIA NA REDE ELÉTRICA COM DESLIGAMENTO PROGRAMADO

cid:image001.jpg@01D3F735.71DB2130

UTILIDADE PÚBLICA (SÃO JOÃO DO SABUGI): SERVIÇO DE MELHORIA NA REDE ELÉTRICA COM DESLIGAMENTO PROGRAMADO
Natal, 11 de junho de 2018

A Cosern comunica que, para realizar serviços de melhoria na rede elétrica, será necessário interromper temporariamente o fornecimento nesta terça(12), em 04 ruas do bairro Centro (137 clientes), em São João do Sabugi. Seguem informações:

- Das 08h às 13h nas ruas: Antônio Gentil de Araújo, Francisco de Assis Dantas, João Fernandes de Lucena, Maria Generosa e adjacências.

Caso os serviços sejam realizados antes do horário previsto, a rede será energizada sem aviso prévio.

Fique atento: a Cosern sempre avisa antecipadamente quando precisa realizar desligamento programado na rede elétrica.

Sobre a Cosern
A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), empresa do Grupo Neoenergia, é sexta maior distribuidora de energia elétrica do Nordeste em número de clientes e a quinta em volume de energia fornecida. Presente nos 167 municípios potiguares, a Cosern tem uma área de concessão de 53 mil quilômetros quadrados.  A empresa atende 1,4 milhão de clientes (3,5 milhões de habitantes).

DICAS DE SEGURANÇA COSERN
Acesse o site (www.vamosdarumbasta.com.br) e conheça as dicas de segurança para evitar acidentes com a rede elétrica.
Fotos: Cosern/Divulgação

Gerência de Comunicação

Paulo Araújo – Relacionamento com a imprensa
Telefone Fixo+ 55 (84) 3215-6055
Telefone Celular: + 55 (84) 99424-9938

São João em São João do Sabugi-RN 2018

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo

App grátis consulta CPF e diz se seu nome está limpo; confira

O Radar de CPF é uma das funções centrais do GuiaBolso, aplicativo que ganhou novo visual recentemente no Android. A ferramenta tem a proposta de avisar ao usuário se o nome está limpo ou se há pendências. Com um toque, é possível saber eventuais dívidas registradas no banco de dados da Boa Vista SCPC.
A consulta de CPF online já existia no site da entidade, e agora chega ao celular por meio da parceria com o aplicativo de finanças pessoais. A seguir, veja o passo a passo para se cadastrar e monitorar a vida financeira pelo smartphone.
(Foto: Paulo Alves/TechTudo)
Passo 1. Baixe e instale o GuiaBolso no celular e acesse a sua conta no serviço. Se ainda não possuir cadastro, informe um endereço de email e preencha, na sequência, os campos de número de celular e senha.
Crie um cadastro no GuiaBolso (Foto: Reprodução/Paulo Alves)
Passo 2. É preciso fornecer informações bancárias ao GuiaBolso para liberar a consulta de CPF. Toque em “Selecionar banco” para obter uma lista de bancos.
Deslize até o rodapé da lista de bancos (Foto: Reprodução/Paulo Alves)
Passo 3. Uma maneira de pular esse passo é rolar até o final e selecionar a opção “Adicionar uma conta manual”. Em seguida, dê um nome para a conta, informe um valor e toque em “Criar conta manual” para prosseguir. Esses dados poderão ser removidos mais tarde para dar lugar aos seus dados financeiros reais, se desejar obter gráficos de gastos e simulações de crédito.
Adicione uma conta manual no GuiaBolso (Foto: Reprodução/Paulo Alves)
Passo 4. O GuiaBolso perguntará o número de CPF. Preencha também o cadastro com data de nascimento e nome da mãe. Depois, marque a primeira caixa de diálogo para aceitar os termos de uso. As demais permissões são opcionais.
Informe o CPF e outros dados pessoais para ativar o Radar (Foto: Reprodução/Paulo Alves)
Passo 5. Após a ativação do cadastro, a função Radar de CPF estará disponível na tela inicial para consultar o nome junto à Boa Vista. Se houver pendências, o app exibe na tela as instituições que solicitaram o registro e os valores relacionados. A mensagem de “Nada consta” confirma que não há questões envolvendo o CPF informado.
Monitore com frequência eventuais pendências no seu CPF (Foto: Reprodução/Paulo Alves)
Globo, via Techtudo

quarta-feira, 6 de junho de 2018

EUA e Brasil Retomam Negociações Para Usar Base de Foguetes de Alcântara (MA)


Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada ontem (04/06) no site do jornal “Folha de São Paulo”, destacando que os EUA e o Brasil retomaram as negociações para o uso da Base de Foguetes de Alcântara.

Duda Falcão

CIÊNCIA

EUA e Brasil Retomam Negociações Para
Usar Base de Foguetes de Alcântara (MA)

Objetivo é impulsionar programa brasileiro e permitir
lançamentos estrangeiros a partir do Maranhão

Por Estelita Hass Carazzai
Folha de São Paulo
4 de junho de 2018 às 21h20

WASHINGTON - Os governos brasileiros e norte-americano retomaram as negociações para um acordo que permita o uso da base de lançamento de foguetes em Alcântara, no Maranhão.

Ainda nesta semana, um representante do governo dos EUA deve ser apontado para iniciar as tratativas de um acordo de salvaguarda tecnológica com o Brasil. É a primeira vez em 16 anos que os países voltam a negociar o tema.

Foto: Reuters
O VLS-1 (Veículo lançador de Satélites) na plataforma do
Centro de Lançamento em Alcântara (MA), antes de ter sido
destruído no lançamento, em 2003, e matando 21 pessoas.

A informação foi adiantada pelo jornal O Globo, e confirmada nesta segunda (4) pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, em entrevista a jornalistas em Washington.

O objetivo é impulsionar o programa espacial brasileiro, de acordo com o ministro, e permitir o lançamento de foguetes e satélites a partir de Alcântara. Segundo o ministro, atualmente, a grande maioria dos foguetes e satélites no mundo carrega tecnologia norte-americana. Por isso, um acordo com o país é fundamental para viabilizar lançamentos no Maranhão.

O objetivo é impulsionar o programa espacial brasileiro, de acordo com o ministro, e permitir o lançamento de foguetes e satélites a partir de Alcântara. Segundo o ministro, atualmente, a grande maioria dos foguetes e satélites no mundo carrega tecnologia norte-americana. Por isso, um acordo com o país é fundamental para viabilizar lançamentos no Maranhão.

A grande questão a ser resolvida é preservar a soberania nacional brasileira, permitindo o acesso e conhecimento sobre os lançamentos a serem feitos na base, e, ao mesmo tempo, proteger a propriedade intelectual dos americanos."Eles querem a defesa dos seus segredos comerciais, o que é legítimo", disse Nunes.

A primeira proposta dos EUA, em 2002, era usar a base de Alcântara com sigilo total sobre seus equipamentos, o que não foi aceito pelo Congresso brasileiro. O Brasil apresentou uma contraproposta aos EUA em meados do ano passado, que esteve sob análise do Departamento de Estado desde então. Neste mês, enfim, o governo americano deu o aval para que o tema volte à mesa de negociações.

O ministro não deu detalhes sobre a nova proposta, cujos pormenores ainda precisam ser fechados. "Não há prazo, mas vamos começar rapidamente e há disposição política de se chegar a um acordo", afirmou Nunes, que disse estar otimista com as negociações.

Para ele, a localização "excepcional" da base de Alcântara, próxima à linha do Equador, é uma vantagem ao Brasil, que pode se beneficiar de recursos e capacitação de pessoal por meio da parceria com os americanos.

Depois do fracasso da primeira tentativa, em 2002, o Brasil ainda conduziu negociações com o governo da Ucrânia para o lançamento de satélites, mas o acordo foi cancelado em 2015, sem sucesso.


Fonte: Jornal “Folha de São Paulo” - 04/06/2018

Comentário: Pois é leitor, agora só resta rezar para que esses vermes não façam besteira novamente, já que se o Brasil quer realmente fazer parte do mercado de lançamento de satélites comerciais, este Acordo é realmente necessário. Entretanto até que me provem do contrário eu duvido muito disso. Aproveitamos para agradecer ao leitor Leandro Sorrenti pelo envio desta matéria.

Programa Espacial Brasileiro Tem Falhas na Divisão Civil-Militar Diz Diretor do INPE


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (04/05) no site do “Jornal da USP” destacando que em entrevista ao programa "Jornal da USP no Ar" daRádio USP, o diretor do INPE, o Dr. Ricardo Magnus Osório Galvão, disse que o Programa Espacial Brasileiro (PEB) tem falhas da divisão civil-militar.

Duda Falcão

ATUALIDADES

Programa Espacial Brasileiro Tem
Falhas na Divisão Civil-Militar

Diretor do INPE afirma que satélites brasileiros são importantes,
mas que o país ficou para trás

Por redação
Jornal da USP
04/06/2018


No final da década de 80 e começo da de 90, o Brasil construiu seus dois primeiros satélites inteiramente nacionais. Eles eram simples: colhiam e transmitiam informações, mas eram os primeiros passos do país, e com eles vieram conhecimentos sobre a produção da tecnologia, como no tratado CBERS, assinado junto à China (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, em português). Para o Professor Ricardo Magnus Osório Galvão, do Instituto de Física (IF) da USP, e diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o que dificultou o desenvolvimento espacial no Brasil foram as deficiências na estruturação do próprio programa: a divisão entre a parte de lançamentos ficou a encargo militar, enquanto  a civil ficou a encargo do INPE. Segundo Galvão, nunca ficou claro como o programa seria comandado, caso contrário, hoje, o país teria uma situação melhor na área.

Galvão conta que o país, apesar de ter posicionamento geográfico favorável ー como o Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, que permite lançamentos com custos mais baixos, devido à proximidade com o Equador ー ficou para trás no desenvolvimento de tecnologias espaciais, e dá o exemplo da Argentina, que começou as atividades espaciais depois do Brasil, mas já se encontra num estado de produção mais avançado ー são capazes de produzir satélites geoestacionários, muito importantes na área de telecomunicação, por exemplo, enquanto o Brasil ainda os importa de empresas francesas.

Sobre essa colaboração estrangeira, como na compra de satélites geoestacionários franceses, Galvão explica que a situação de sigilo das informações é delicada, pois, ao mesmo tempo em que não é fácil que o Brasil tenha acesso às tecnologias de outros países, é complicado que acessem informações sobre comunicações brasileiras. Um exemplo da delicadeza dessa questão é o caso de empresas brasileiras que entraram, pelo sigilo de informações, com ações contra o satélite geoestacionário brasileiro, lançado pela empresa Telebras em convênio com o Ministério da Defesa do Brasil e a empresa estadunidense ViaSat, em que se divide o satélite entre o uso militar e de telecomunicações. Galvão conta que, apesar dos problemas já existentes, envolvendo o primeiro satélite, o Brasil já faz planos para o segundo.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.


Fonte: Site do Jornal Folha da USP - https://jornal.usp.br

Comentário: Bom leitor, interessante afirmação do Diretor do INPE, e fica então ai o tema aberto ao debate. Aproveito para agradecer aos nossos leitores Mariana Amorim Fraga e Ronaldo Matos pelo envio dessa notícia.
https://brazilianspace.blogspot.com/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...